Blog

homem caminhando remetendo primeiros passos para investir dinheiro

Primeiros passos para investir dinheiro

Felizmente, os assuntos sobre finanças pessoais e investimentos estão ganhando bastante espaço no Brasil nos últimos anos. Isso significa que cada vez mais pessoas passaram a ouvir falar das vantagens de realizar investimentos em produtos financeiros.

Entretanto, muitas delas ainda ficam em dúvida quando pensam nos primeiros passos para investir dinheiro. Esse é um fenômeno compreensível. Afinal, além de ser um assunto novo para maioria, ele é cheio de conceitos que precisam ser aprendidos.

Se você está passando por isso, nós queremos ajudar. Preparamos um conteúdo completo que pode esclarecer tudo o que é necessário você saber antes de começar a investir. Vamos lá?

Identifique seus objetivos

Se a sua expectativa era que este post começasse com indicações de Investimentos, é preciso dar um pequeno passo para trás. Na verdade, antes mesmo de pensar em investir você precisa saber quais são os seus objetivos ao fazer isso.

A razão é simples: pode até ser viável começar a fazer investimentos sem ter objetivos claros, mas é difícil se desenvolver um hábito duradouro assim. Então, nossa primeira orientação para quem deseja fazer investimentos vantajosos e frequentes é encontrar motivações para criar e manter esse hábito.

As motivações nada mais são do que os seus objetivos e metas. São elas que vão fazer com que você não só mantenha uma constância nos investimentos como também evite resgatar o dinheiro e usá-lo com outras demandas.

Pense bem: quando alguém sabe que está juntando dinheiro para fazer uma viagem, fica muito mais fácil não utilizar a mesma quantia para comprar uma roupa nova, certo? Seguindo a mesma lógica, quem reserva um valor sem objetivos específicos está mais disposto a gastá-lo com outras coisas.

Quer evitar passar por situações como esta? Então comece a anotar os seus objetivos financeiros. Veja alguns exemplos:

  • Comprar ou trocar o veículo;
  • Mudar-se para outra cidade;
  • Adquirir um imóvel;
  • Investir em qualificação profissional;
  • Começar uma nova carreira;
  • Casar ou ter filhos;
  • Fazer viagens;
  • Conquistar a liberdade ou a independência financeira.

Organize seu orçamento

Depois de decidir quais são os seus objetivos para o futuro é necessário fazer com que o seu orçamento reflita essas decisões. A melhor maneira de conseguir isso é organizando esse orçamento de acordo com metas.

Nesse sentido, você precisará definir tanto metas para os seus gastos quanto para os seus investimentos. O mais indicado é começar conhecendo o seu orçamento atual. Ou seja, registrando toda sua renda e os seus gastos durante um período de 1 a 3 meses.

O resultado do exercício lhe oferecerá uma espécie de fotografia da sua realidade financeira hoje. Aí sim dá para planejar em cima disso — já que fica difícil fazer planos sem se pautar na realidade.

O seu desafio então será o de colocar metas de gastos para cada categoria. Pense em como você pode economizar e que valores são interessantes para colocar como teto dos custos com alimentação, transporte, autocuidado, lazer, etc.

É importante buscar formas de economia porque essa etapa é a que fará sobrar dinheiro para suas metas de investimento. Entretanto, fique de olho também para manter o que é essencial para sua qualidade de vida.

Conheça seu perfil de investidor

Agora vamos avançar mais um pouco nos primeiros passos para você começar a investir dinheiro, na prática, com maior segurança. Um conceito fundamental nos primeiros passos é o de perfil de investidor.

Esse termo é tão relevante que só é possível realizar investimentos depois de passar por um teste que identifique o perfil de cada investidor.

E por que isso é tão importante? Porque o perfil de investidor resume os seus interesses e a sua abertura ao risco na hora de investir seu dinheiro. Assim, a corretoras e bancos precisam conhecer essas características para realizar a mediação entre você e os produtos financeiros.

Essa é, portanto, uma medida de segurança para quem está dando os primeiros passos para investir dinheiro. E como descobrir o seu perfil?

O teste é aplicado logo que você procura abrir uma conta para investimentos. Ele pode ser feito também em alguns sites, como aqueles ligados a especialistas em finanças ou a educadores financeiros.

Os tipos de investidor

Basicamente, existem três perfis de investidor: conservador, moderado e arrojado. A principal diferença entre eles é o interesse ou não para correr maiores riscos em busca de maiores possibilidades de rentabilidade.

O investidor conservador é aquele cujo foco está na segurança e estabilidade, e não nos lucros. Isto é, ele aceita se manter recebendo rendimentos menores para que seu dinheiro não seja colocado em perigo.

O investidor moderado está disposto a encarar um risco um pouco maior, pois o seu objetivo é equilibrar segurança e rentabilidade. Logo, sua carteira de investimentos não será tão segura quanto a de um conservador e nem tão arriscada quanto a de um arrojado.

Finalmente, o investidor arrojado está mais aberto a correr riscos porque entende que isso lhe gera oportunidades de aumentar seus ganhos. Dessa forma, pessoas com esse perfil dão preferência para investimentos na bolsa de valores, por exemplo.

Veja como os investimentos funcionam

Depois do processo de autoconhecimento que propusemos até aqui, chega o momento de aprender sobre os investimentos que existem. O primeiro ensinamento é de que há diversas opções disponíveis.

Assim, decidir entre elas depende da análise de seus objetivos, do seu perfil de investimento e das características de cada aplicação. Os investimentos são divididos em dois grandes grupos: renda fixa e renda variável.

A maior diferença entre eles é que no primeiro existe uma previsibilidade em relação aos rendimentos, enquanto o segundo apresenta mais variações — pois acompanha as movimentações da economia e está sujeita a oscilar com frequência, para cima ou para baixo.

Renda fixa

Entender o funcionamento da renda fixa é relativamente mais simples. De maneira geral, podemos definir a renda fixa como uma espécie de empréstimo: o investidor aplica seu dinheiro por determinado tempo e recebe de volta, em um dado momento, com a taxa de juros que foi combinada.

O tomador de empréstimo pode ser o governo federal, no caso de títulos públicos, ou bancos e outras instituições financeiras, no caso da renda fixa privada. A renda fixa não é um investimento só, mas reúne várias opções — que podem diferir muito em relação aos prazos, rentabilidades, etc.

Renda variável

A renda variável também apresenta diversas opções de Investimentos. Provavelmente, as mais conhecidas delas são as ações da bolsa de valores. Mas também é possível investir em câmbio, especular em criptomoedas, mercado futuro, e outros.

Em relação à renda fixa, essas alternativas apresentam maiores riscos. Isso porque elas não funcionam como um empréstimo. Quando você compra ativos da renda variável fica mais vulnerável diante das movimentações do mercado.

Quem adquire ações de uma empresa, por exemplo, está se tornando sócio dela. Logo, fica diretamente ligado aos resultados bons ou ruins que aquela companhia apresentar ao longo do tempo. Mas se isso traz riscos, também traz muito potencial de ganhos — caso a empresa lucre bastante, por exemplo.

Abra conta no banco ou corretora

Com a nossa ajuda você já aprendeu a definir objetivos e conhecer os investimentos. O próximo passo prático é abrir uma conta em um banco ou corretora de valores. Essas são as instituições que permitem o seu acesso aos produtos financeiros.

É possível fazer alguns investimentos diretamente pelo banco no qual você tem conta corrente, mas pode ser interessante se cadastrar em uma corretora ou banco de investimentos. Porque, geralmente, eles reúnem um portfólio mais amplo de opções de produtos para o investidor.

Fazer a abertura de conta é um processo gratuito e bem simples, já que é realizado online. A realização de alguns investimentos também é, muitas vezes, livre de taxas — embora seja fundamental se atentar aos eventuais custos para fazer seus aportes.

Como existem muitas instituições no mercado, é indicado que você pesquise por elas e busque informações para poder compará-las. Dessa forma, fica mais fácil escolher a que considera a melhor opção para você.

Transfira dinheiro para essa conta

O próximo passo seria transferir dinheiro para esta conta – a fim de permitir que você inicie seus aportes no mercado financeiro.

Se você for investir diretamente pelo banco onde é correntista, basta conversar com o gerente ou pesquisar o passo a passo da instituição. Já quem abriu uma conta em outra instituição financeira precisará transferir dinheiro para realizar as operações.

Essa também é uma tarefa simples. Assim que você se cadastra e os seus documentos são aprovados, a instituição informa os dados da sua conta.

Com eles em mão, basta fazer as transferências normalmente. Uma dica, nesta etapa, é negociar com o banco a isenção das taxas de transferência ou abrir uma conta digital, que não cobra por essa operação.

Normalmente, o dinheiro transferido aparece em poucos minutos na sua conta. Quando isso acontecer, ele já estará disponível para ser investido nos produtos financeiros.

Escolha seus investimentos

Você já aprendeu as informações básicas sobre os grupos de investimentos da renda fixa e da renda variável. Entretanto, nós falamos também que as opções são muito diversas em cada um desses grupos.

Considerando isso, o processo de escolha dos investimentos pode ser complexo. Veja a seguir alguns dos principais aspectos para avaliação na hora de escolher investimentos.

Segurança

Buscar segurança nos investimentos não quer dizer apenas escolher entre renda fixa ou variável. É claro que isso é importante. Afinal, não adianta se arriscar em ações agora se você tem perfil conservador, por exemplo.

Entretanto, mesmo dentro do grupo de renda fixa, existem investimentos mais ou menos seguros. A maior segurança é encontrada nos títulos públicos, mas ao investir em bancos ou instituições privadas é possível conferir o rating deles para averiguar o que é mais seguro.

Já na renda variável, buscar segurança geralmente significa entender os riscos e acompanhar de perto as suas escolhas. Vale destacar que investir na bolsa de valores não quer dizer que o investidor faz uma aposta. Pelo contrário: as decisões de bons investidores são baseadas em análises aprofundadas.

Lembre-se também de considerar os seus objetivos e o seu perfil de investidor antes de fazer seus aportes.

Prazo

O prazo dos investimentos diz respeito ao período em que o seu dinheiro fica aplicado. Esse conceito está mais relacionado à renda fixa, cujos investimentos têm um prazo determinado para que o seu dinheiro seja devolvido.

Na renda variável, geralmente, não há um prazo determinado. O que pode haver é um tempo de carência em alguns investimentos. Isso significa que você precisará esperar alguns meses, por exemplo, até solicitar o resgate do dinheiro.

Se você quer dar seus primeiros passos para investir, é preciso considerar essa característica. Planeje-se para escolher investimentos com prazos adequados de acordo com seus objetivos. Assim, é possível evitar prejuízos e dores de cabeça.

Liquidez

O conceito de liquidez se refere à rapidez com que o investidor pode receber o seu dinheiro de volta sem perdas. Embora pareçam ideias semelhantes, a liquidez não é sinônimo de prazo.

Vamos dar um exemplo prático para que você entenda. O Tesouro Selic é um investimento de renda fixa geralmente indicado para planos de curto prazo. E algumas características da sua rentabilidade garantem a ele uma liquidez alta.

Com isso, o investidor pode ter seu dinheiro de volta sem esperar o final do período combinado. Ao pedir o resgate, o valor volta para ele no próximo dia útil sem perdas de rendimento.

O mesmo não acontece com outro título público — o Tesouro Prefixado. Mesmo que ele tenha, eventualmente, um prazo semelhante ao do Tesouro Selic, este investimento não apresenta a mesma liquidez que o outro.

Isso porque essa aplicação sofre efeito da marcação a mercado, que faz com que o valor de resgate possa ser bem diferente quando o investidor não espera até o prazo final. Logo, a liquidez é prejudicada – graças ao risco de resgatar menos do que foi aplicado.

Busque constantemente mais educação financeira

Depois dessas dicas, você já tem condições de realizar o teste do seu perfil de investidor, analisar os investimentos e dar os primeiros passos nesse universo. Mas vamos deixar uma orientação extra que fará toda a diferença no seu futuro: continue aprofundando sua educação financeira.

Não pare nunca de aprender. Existem sempre conteúdos de qualidade disponíveis para os investidores. Eles podem ser acessados de forma gratuita, como em blogs ou canais no YouTube. Você também pode pagar cursos e assessorias de investimentos para lhe ajudar a tomar decisões cada vez mais acertadas.

Todos os conhecimentos adquiridos farão com que você invista cada vez mais e melhor. Lembre-se também de rever seus objetivos e metas ao longo do tempo. Naturalmente, até mesmo o seu perfil de investidor pode mudar por conta de sua evolução.

Outra dica fundamental para quem está dando os primeiros passos para investir dinheiro é diversificar sua carteira. Mesmo que você comece com valores pequenos, não é interessante colocar tudo no mesmo lugar.

Escolher alternativas diferentes aumenta a segurança do seu portfólio. Não se esqueça disso!

E então, gostou das informações que trouxemos? Está pronto para continuar aprendendo? Então conheça 10 termos indispensáveis do mercado financeiro!