Blog

Imagem de um cofre em formato de porco remetendo aos 6 investimentos conservadores.

6 Investimentos conservadores que você precisa conhecer

O caminho dos investimentos – diferente do que muita gente pensa – não aponta para uma única direção. Na verdade, existem diversas opções de investimento, que agradam diferentes tipos de investidores.

Há desde alternativas de investimentos conservadores e seguros até aqueles de maior risco e alta volatilidade. Você sabe como identificá-los e escolher entre eles?

O primeiro passo é conhecer o seu perfil de investidor. Ou seja, a forma como você prefere tomar suas decisões financeiras. Depois, é importante saber o que caracteriza os tipos de aplicações conservadoras ou mais arrojadas.

Se você tem dúvida sobre esse tema e está em busca de opções mais conservadoras para sua carteira de investimentos, está no lugar certo! Confira no artigo de hoje 6 investimentos conservadores que você precisa conhecer para fazer boas escolhas de investimento, adequadas ao seu perfil e aos seus objetivos.

O que é o perfil de investidor?

Um dos principais aspectos relacionados aos investimentos são os riscos envolvidos em cada aporte. É possível diferenciar as opções em relação à segurança que elas oferecem e à possibilidade real de perda do dinheiro aplicado.

O risco, portanto, é um elemento essencial para se avaliar antes de escolher onde fazer suas aplicações. Por isso, todo investidor iniciante deve responder a um teste que diagnostica o seu perfil.

Em outras palavras, identificar qual é a sua tolerância a correr riscos em busca de maior rentabilidade — já que investimentos de maior risco também oferecem a possibilidade de ganhos maiores.

Esse teste do perfil de investidor geralmente é feito no próprio site ou aplicativo de corretoras ou bancos. A aplicação deste formulário, inclusive, é uma exigência para todas as instituições desse tipo no Brasil – o que aumenta a sua segurança, pois ajuda o investidor a tomar decisões mais conscientes.

Os perfis de investidores podem ser classificados em três tipos: conservador, moderado e arrojado. Essa é a ordem do menor ao maior risco.

Isto é, investidores conservadores tendem a buscar opções mais seguras, enquanto os moderados podem correr um pouco mais de risco; os arrojados, por sua vez, têm maior apetite para se expor a riscos maiores.

Seja qual for o seu perfil, é essencial fazer suas escolhas baseadas nele. Afinal, aplicar seu dinheiro em investimentos que não o deixem confortável não é o mais indicado. Isso pode gerar muita ansiedade e até mesmo lhe causar prejuízos.

Como funcionam os investimentos conservadores?

O sonho de qualquer pessoa seria encontrar um investimento com lucros altos e baixo risco. Entretanto, isso não pode passar de um sonho. Na realidade, as maiores possibilidades de ganho estão sempre acompanhadas de um maior risco.

É o caso do mercado de ações, por exemplo. Neste mercado, as possibilidades de ganhos são maiores, mas os riscos e as oscilações de cada investimento acompanham esta possibilidade de maiores lucros.

Mas então, o que são os investimentos conservadores? Os investimentos denominados conservadores se destacam pela segurança oferecida, reduzindo o risco do investidor – muitas vezes a próximo de zero – perder o dinheiro aplicado.

Esses tipos de investimento são encontrados, normalmente, na renda fixa — categoria na qual o investidor conhece, antecipadamente, as regras de rentabilidade sobre a quantia alocada. No caso dos prefixados, a rentabilidade é conhecida no momento do aporte, enquanto que, nos investimentos pós-fixados, o investidor sabe apenas como se dará seu rendimento no vencimento do título.

Portanto, os investimentos conservadores são indicados para quem tem pouca tolerância ao risco ou ainda não dispõe de conhecimento suficiente para realizar outras aplicações. Além disso, também são aconselhados para pessoas que queiram proteger parte do seu patrimônio enquanto se arriscam em outras opções mais arrojadas.

Quais são os 6 investimentos que você precisa conhecer?

Existem diversos investimentos em renda fixa à disposição dos investidores no mercado brasileiro. Separamos, neste artigo, 6 investimentos conservadores que você precisa conhecer.

Saiba mais sobre eles a seguir!

1) Tesouro Selic

O Tesouro Selic é, provavelmente, o investimento mais popular da renda fixa. Nos últimos anos, ele tem sido muito escolhido para substituir a poupança — já que apresenta um rendimento maior que a caderneta de poupança, possui funcionamento simples e alta liquidez.

Trata-se de um dos títulos oferecidos pelo Governo Federal na plataforma do Tesouro Direto. Na prática, ao fazer uma aplicação no Tesouro Selic, você está disponibilizando seu dinheiro ao governo, que lhe paga o valor aportado com juros no futuro.

Os investimentos oferecidos pelo Governo Federal são os mais seguros de todo o mercado. Afinal, o poder executivo é quem toma as decisões financeiras e, em situações extremas, pode aumentar impostos ou imprimir mais papel moeda para honrar suas dívidas.

Depois de entender que há razões para confiar no Tesouro Selic, é importante saber como ele funciona. Esse título apresenta um rendimento pós-fixado, ou seja, está atrelado a uma taxa variável da economia. No caso, é a taxa básica de juros brasileira (Selic).

Apesar da incidência de imposto de renda sobre os rendimentos que você obter, o Tesouro Selic normalmente rende mais que a poupança. Outra vantagem sobre a poupança é o fato de que os juros correm diariamente sobre o título, fazendo com que o montante na sua conta aumente um pouco a cada dia útil.

O Tesouro Selic é bastante indicado para alocação do fundo de emergência ou reservas de curto prazo. Afinal, apesar de ter uma data de vencimento, o investidor pode resgatar valores aplicados antecipadamente.

2) Tesouro IPCA

O Tesouro IPCA é mais uma das opções entre os títulos públicos. Portanto, conta com a mesma segurança de ser emitido pelo Governo Federal.

O Tesouro IPCA é atrelado a um outro indicador importante, pois mede a inflação no país. Além de acompanhar a inflação, o Tesouro IPCA oferece uma taxa fixa adicional de remuneração – oferecendo rentabilidade mista, com taxa fixa + variável.

Existem, no entanto, algumas diferenças relevantes entre o Tesouro IPCA e o Tesouro Selic. Uma das principais está relacionada à liquidez e às oscilações de preço destes títulos até o vencimento.

A explicação para essas diferenças está no mercado secundário, onde são negociados estes títulos para resgate antecipado. Uma vez que as oscilações de preço do Tesouro IPCA são mais altas, é possível que, no dia em que o investidor desejar resgatar sua aplicação, ela esteja sendo negociada por valores menores do que aqueles pagos no investimento – gerando prejuízo.

Entretanto, é preciso deixar claro: não há riscos de perder dinheiro se a aplicação for mantida até a data de vencimento combinada. Por isso, é fundamental investir no Tesouro IPCA visando levar o investimento até a data de vencimento – visando, preferencialmente, prazos maiores para resgate.

Pensar no Tesouro IPCA para planos maiores – como a compra de uma casa ou a aposentadoria, por exemplo, permite que você proteja suas reservas da perda de valor ao longo do tempo, já que o investimento acompanha as oscilações da inflação.

3) Tesouro prefixado

Esse é mais um tipo de investimento oferecido no Tesouro Direto. O que o diferencia dos outros que apresentamos antes é o fato de que os rendimentos dessa opção não estão atrelados a nenhuma taxa da economia. Ele é um investimento prefixado, ou seja, rende a uma porcentagem fixa definida antecipadamente.

Isso quer dizer que o investidor sabe exatamente quais são os juros que receberá pela sua aplicação. Essa característica faz do Tesouro prefixado uma opção interessante em períodos de queda da taxa de juros no país.

Caso a Selic esteja com tendência a baixar no futuro, aproveitar rentabilidades maiores na opção prefixada pode impulsionar os seus investimentos em renda fixa. A desvantagem é que isso requer uma análise complexa do mercado.

É exatamente por conta disso que se indica a diversificação da carteira de investimentos, aproveitando o melhor de cada investimento ao longo do tempo.

É importante destacar que os títulos de Tesouro prefixado sofrem da mesma variação do mercado secundário à qual o Tesouro IPCA está exposto. Assim, o ideal é que você possa deixar o dinheiro investido até o vencimento, para evitar perdas e garantir a rentabilidade definida.

4) CDB

Saímos dos títulos públicos e chegamos à renda fixa privada. Neste caso, em vez de emprestar seu dinheiro para o governo, o investidor estará disponibilizando o montante para bancos e instituições financeiras privadas.

O Certificado de Depósito Interbancário (CDB) é um dos principais representantes dessa categoria. Há uma grande diversidade de investimentos desse tipo.

Eles podem ser oferecidos por diversas instituições e têm taxas de juros e prazos bastante variados. Além disso, podem ser tanto prefixados como pós-fixados.

O banco onde você possui conta corrente, por exemplo, certamente oferece opções de CDB. Entretanto, em geral, é possível encontrar alternativas mais rentáveis e com valores mínimos de aporte menores em corretoras ou bancos de investimentos — porque neles você tem acesso a produtos de diversas instituições.

A segurança das aplicações em CDB se dá tanto por fazerem parte da renda fixa quanto pela existência do FGC. Ele é o Fundo Garantidor de Crédito, uma espécie de proteção para os investidores da renda fixa.

No caso de uma instituição financeira apresentar risco de inadimplência, o FGC cobre um valor de até R$ 250.000,00 investidos por CPF e por instituição em produtos cobertos por ele – com um limite global de R$ 1 milhão a cada 4 anos.

Antes de aplicar em um CDB, no entanto, é muito importante analisar todos os detalhes do investimento. Nesta modalidade, por exemplo, há cobrança de Imposto de Renda sobre os rendimentos. Outro dado que merece atenção é a liquidez.

Alguns CDBs têm liquidez diária, permitindo que você retire o dinheiro antes do vencimento sem perder o lucro. Já outros exigem que o valor fique até a data combinada – estes, normalmente, pagam um rendimento maior.

Além disso, é importante conhecer o valor mínimo para investir em um CDB. Isso também vai depender de cada instituição. Normalmente, as opções que oferecem rendimentos mais altos definem uma quantia mais alta para aporte, ou um prazo maior para resgate

5) LCI e LCA

Esses investimentos conservadores funcionam de maneira semelhante ao CDB, com uma particularidade: não há cobrança de Imposto de Renda. O motivo é que eles são direcionados à captação de recursos para o setor imobiliário (letras de crédito imobiliário — LCI) e para o agronegócio (letras de crédito do agronegócio — LCA).

Como se tratam de setores importantes para o país, existe incentivo fiscal para os investimentos desse tipo. Os rendimentos das letras de crédito podem ser prefixados ou pós-fixados e elas também são cobertas pelo FGC.

Assim como diversas outras opções, é importante que o investidor fique atento às datas de vencimento antes de investir em LCI ou LCA. Isso porque o dinheiro deve ficar aplicado até a data de vencimento para que o lucro seja garantido.

Além disso, você precisa considerar os valores mínimos de aporte — que costumam ser maiores nessas duas alternativas.

6) Fundos de renda fixa

Se você ainda não consegue decidir quais investimentos conservadores escolher, há ainda outra opção interessante: a aplicação em fundos de renda fixa. Eles funcionam como uma espécie de aplicação que oferece ao investidor o acesso a um pacote com diversos investimentos.

Estes investimentos são escolhidos e administrados por gestores. Já o investidor, por sua vez, adquire cotas e, desta forma, recebe rendimentos proporcionais à quantidade de cotas que possui. Como se trata de fundos de renda fixa, você tem a segurança de que a maior parte do patrimônio deste fundo será aplicado apenas em alternativas com menor risco.

Para o investidor, a vantagem é poder contar com gestão profissional do seu investimento e estar exposto a uma quantidade maior de produtos de investimentos a partir de uma única modalidade de investimento.

Vale a pena destacar, entretanto, que pode haver cobrança de taxa de administração nesta modalidade de investimento.
Conclusão
Agora você já sabe como funcionam os investimentos conservadores e conhece 6 opções para aplicar o seu dinheiro. Se você tem uma tolerância menor a riscos, estas podem ser opções interessantes para começar a fazer seus aportes e formar sua carteira de investimentos.

E você, já investiu em algum destes produtos de investimento? Conte suas experiências nos comentários!

E para acompanhar mais conteúdos como este, assine a newsletter do blog!